Ada Hegerberg ganhou o Ballon d'Or. Então ela foi perguntada se ela sabia como Twerk.

Era para ser um momento de triunfo. Ada Hegerberg, uma jogadora de futebol norueguesa de 23 anos, acabara de se tornar a primeira mulher a ganhar o Ballon d'Or, uma das mais prestigiadas honras individuais do futebol.

Mas para alguns, o momento histórico foi rapidamente mimado quando, em uma troca no palco após seu discurso de aceitação na segunda-feira, o francês D.J. Martin Solveig perguntou à Sra. Hegerberg algo que não tinha nada a ver com sua especialidade: saber se ela sabia o que fazer.

"Não", disse Hegerberg, rapidamente descartando a ideia.

A troca começou nas mídias sociais, onde os críticos – incluindo alguns atletas de alto perfil – acusaram Solveig de sexismo e o atacaram por prejudicar um momento de realização profissional com uma referência ao movimento de dança provocativo. A controvérsia quase ofuscou a notícia de que Luka Modric venceu Cristiano Ronaldo e Lionel Messi por o Ballon d'Or masculino. O prêmio de melhor jogador foi reservado para jogadores masculinos desde seu início em 1956, até que o Ballon d'Or feminino foi criado este ano.

"Isso é uma piada absoluta", Lindsey Horan, meio-campista da seleção feminina dos Estados Unidos que foi uma das finalistas do Ballon d'Or feminino, twittou em resposta ao comentário do Sr. Solveig. Ela ofereceu seu apoio à Sra. Hegerberg: "Parabéns e você não merece isso".

Andy Murray, o astro do tênis, também condenou o comentário em um post no Instagram. "Para todos que pensam que as pessoas estão exagerando e que foi apenas uma piada. Não foi", escreveu ele. "Eu estive envolvido no esporte toda a minha vida e o nível de sexismo é irreal."

Mas mesmo enquanto os outros sustentavam o momento como Mais um exemplo de sexismo nos esportes, Hegerberg disse que não o via dessa maneira. "Eu não estava chateado", ela disse à Associated Press. "Ele veio até mim depois da situação e se desculpou, mas eu não aceitei nada disso."

Ela disse que sua mente estava em sua conquista: "Eu tenho o Ballon d'Or".

Em um vídeo postado no TwitterSolveig disse que ficou "impressionado" com os comentários que viu on-line. "Eu não quis ofender ninguém e eu não sabia que isso poderia ser visto como uma ofensa, especialmente se você considerar a sequência no total", disse ele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *